11 de outubro de 2008

Prelúdio

Um dia destes digo-te
que há nas tuas mãos propriedades químicas
que me adubam a pele com poderosas especiarias
e eu feita pasto e prado e plantio
floresço irrigada de sémen e saliva
e algo em mim desabrocha.

E que ambiciono beijar-te em lugares desconhecidos
com nomes complicados
onde a tua pele é odorífera
e lamber-te os dedos até matar a fome
alheia às lições de anatomia
a encher de sede o teu umbigo.

E hei-de sussurrar-te confidências
falar em simbiose e metafísica
e talvez até contar-te
que às vezes
ao mordiscar-te o lóbulo da orelha
rezo-te ao coração para que me leve
por entre esses olhos de dilúvio
dentro de uma arca de Noé.

6 comentários:

Anónimo disse...

oh, se for este....

Anónimo disse...

A prelude is a short piece of music, which its form may vary from piece to piece. While, during the Baroque Age, for example, it may have served as an introduction to succeeding movements of a work that were usually longer and more complex, it may also have been a stand alone piece of work during the Romantic Era.

Mirabilis (ou Sherazade) disse...

Obrigada pela definição.

A ideia do título foi pensada mais para o significado conceito na Era Barroca... Ou pelo menos assim espero :)

Beijos grandes,

Anónimo disse...

Gostei! Aliás, sempre que visito esta página (não muito frequentemente, devo confessar)encontro boas surpresas.
Parafraseando Milton "Certos textos que leio cabem tão dentro de mim que me pergunto como não fui eu que fiz".
Beijos
Bruno

Kleoptra disse...

AMEI!!! Não só o poema em si, q está absolutamente bárbaro, ms a leveza da tua alma q se consegue sentir através dele! =)

Vitor Hugo disse...

Um dia destes digo-te
que há nas tuas mãos propriedades químicas
que me adubam a pele com poderosas especiarias


Confirma-se: a melhor poetisa (ainda) não publicada que eu tenho o gosto de ler, continua inspirada.
Beijinho!