18 de outubro de 2005

Sem sono

Aqui deitada nesta cama onde Te espero
embalo a vida que me deste sem saber
que eu a carrego e a aprendo e não a quero
que eu estou cansada, tão cansada de viver.

Nos braços negros do Teu silêncio pesado
adormecem os meus sonhos que abandono
sem crença no futuro, sem fé no passado,
sem esperança no que espero… e sem sono.

3 comentários:

Noggy disse...

Simples.Lindo.

villy disse...

Ta fixe...quem diria essa tua veia poetica...

Abraim Silva disse...

Triste. Bonito. Excelente. Preocupante. Muito preocupante