18 de outubro de 2005

Procuro esse amor...

Procuro esse amor que não me tens
em todos os cantos de todas as casas
em todas as esquinas de todas as ruas
em cada lugar onde vou sem estar
procurar-te apenas.

E encontro a nossa história numa canção qualquer
como encontro a plenitude nos teus braços:
para logo, num instante, a voltar a perder.

Dilaceram-me o silêncio e o espaço que sobra
mas mais que a tua ausência
dói-me que a tenhas escolhido
como agora me magoam as palavras que te digo:
comedidas, prudentes, cautelosas.

Pesa-me o poema como um fardo
de coisas que não foram
e eu nem sei porquê...

3 comentários:

Raquel Pessoa disse...

eu tb procuroooo!!!adoreiii.sim senhora, minha amiga!!!em poucas e bonitas palavras disseste o q nem numa vida inteira mtos ñ conseguem dizer.bjo

Anónimo disse...

Involuntariamente faz-me sentir o q eu tento esconder, identifico-me logo ao comecar. Vens assim sem pedir licensa...?
Mt bonito e profundo, agora eh dificil saber se merece ler isso tb.

Jacquie disse...

mas este simpático anónimo... está a querer saber mta coisa não? :)
Estou brincando...

Adorei
"em cada lugar onde vou sem estar
procurar-te apenas."
"Pesa-me o poema como um fardo
de coisas que não foram
e eu nem sei porquê..."


:) para quem não comentava!!
Beijo da mana